Aprendiz

Atena X Poseidon – como surgiu a cidade de Atenas

por Ana Gabriela Lima

A cidade de Cecrópia, governada por Cecrópe (metade cobra, metade homem, filho da Terra) era uma cidade Grega, banhada pelo mar. Poseidon, querendo uma cidade para si, onde todos o adorassem e fizessem cultos e sacrifícios em sua homenagem, ele chega em Cecrópia e diz ao povo:

– Chamem essa cidade de Poseidônia e serão bem-vindos o mar para pescar. Façam seus cultos a mim e mostrar-lhes-ei quando o mar estiver seguro ou não. Assim, bateu seu Tridente no chão e surgiu uma Fonte de água salgada que era, portanto, seu presente à futura Poseidônia. – Este é meu presente à minha futura cidade, espero. Perguntem à fonte se é seguro navegar e ela os dirá.

Impressionados com a presença de Poseidon, já quase a concordarem, os homens da cidade, que viviam do mar, ficaram felizes ao saber que o deus poderia protegê-los. Mas então, Atena chega, tomando a atenção pois também queria uma cidade que a cultuasse, e assim, se dirigiu a cidade:

– Povo de Cecrópia, deem a esta cidade o meu nome e a educação terá bom desenvolvimento aqui, sendo a cidade com mais sabedoria da Grécia. Serão bons guerreiros, inteligentes e estratégicos. Como Poseidon, fincou sua lança no chão, e então surgiu uma Oliveira, seu presente à cidade. – Este é meu presente, e assim poderão viver da Terra, tendo azeite e azeitonas. Deem a esta cidade o nome de Atenas, e assim serão beneficiados.

Sem querer deixar nem um dos deuses bravos e brutos, iniciando uma guerra, Cecrópe achou mais justo deixar o povo votar. Os homens que viviam do mar, votaram em Poseidon, que os ajudaria nas pescas. Já as mulheres, que viviam da terra, votaram em Atena. Como haviam mais mulheres do que homens, Atena saiu vitoriosa.

Porém, Poseidon, bravo e sem querer perder a oportunidade, desafiou Atena em um combate. Como era muito poderoso, achou que Atena iria fugir, mas ela, sem medo aceitou. Zeus, que estava assistindo tudo, antes do confronto começar, interveio e disse:

– Melhor resolver isso com o conselho Olimpiano, mais justo será.

O caso foi levado ao conselho do Olimpo, foi como em Cecrópia, mulheres votaram em Atena e homens em Poseidon. Porém, Zeus não votou. Assim, Atena saiu vitoriosa, de novo.

Poseidon começou a sentir imensa raiva da cidade de Atenas, agora assim chamada. Os atenienses não eram mais bem-vindos ao mar, pela ira de Poseidon. Preocupados, fizeram um templo a Poseidon em sua cidade e, então, para agradá-lo, nenhuma das mulheres poderia votar. Poseidon aceitou, e, assim, os atenienses poderiam ir ao mar seguros, pois o presente permaneceu na cidade.

E essa é a história da cidade de Atenas.

Deuses do Monte Olimpo

por Ana Gabriela Lima

Há várias histórias e mitos nessa tão grande mitologia. Monstros, deuses, heróis, criaturas etc. O povo grego era politeísta. Seus deuses possuíam forma humana, como eles, e também reproduziam o mesmo comportamento dos humanos, com as mesmas fraquezas, paixões, emoções. A única coisa que diferenciava os deuses dos humanos eram os seus poderes sobrenaturais e a sua imortalidade.

Olimpo era a cidade dos céus, moradia dos deuses. No Olimpo haviam vários deuses, mas apenas 13 se destacavam e faziam parte do Conselho Olimpiano. São eles:

  • Zeus: este era o rei do Monte Olimpo. Junto com Poseidon e Hades, os Três Grandes, disputaram o Céu, o Oceano e o Submundo. Zeus ganhou o Monte Olimpo, nos céus, e se tornou o deus dos homens e dos deuses. Se casou com Hera, porém não teve filhos apenas com ela. Alguns deuses do Conselho Olimpiano são filhos de Zeus. Zeus é filho de Cronos (titã do tempo) e Reia. Foi o último filho de ambos, e passou sua infância sendo treinado para algum dia resgatar seus irmãos e derrotar seu pai. Após derrotar Cronos, Zeus assumiu o poder do mundo.
  • Poseidon: era o deus das Águas, controlava os Oceanos. Um dos Três Grandes e após a disputa ficou com a Água. Casado com Anfitrite, uma nereida (filha de Nereu), pai de Tritão. Poseidon também é pai dos Ciclopes, criaturas de um olho só. Ele foi o penúltimo filho de Cronos e Reia, e foi resgatado do pai (que o engoliu ainda quando o deus era bebê) por Zeus, que foi o escolhido para matar Cronos.
  • Hades: deus do Submundo e dos Mortos. Vive no Mundo Inferior, governando todos os sem-vida que vão para lá após a morte. Ele também é um dos Três Grandes e, contra sua vontade, ficou com o Submundo após a disputa. Sequestrou Perséfone, filha de Deméter, para ser sua companheira e a rainha do Submundo.
  • Hera: ela era a rainha dos deuses, esposa de Zeus e deusa da maternidade e casamento. Após Zeus, seu irmão e marido derrotar Cronos, ela foi viver em um lindo jardim, com algumas ninfas. Ela adorava brincar com as nuvens e sonhava em governar o céu. Um dia, Zeus, já encantado com as nuvens que Hera fazia, mandou sua águia buscar Hera e traze-la ao Olimpo. Quando ela chegou, eles combinaram um casamento e, assim, Hera se tornou rainha dos deuses.
  • Deméter: filha de Cronos e Reia, foi a terceira filha a ser engolida por Cronos. Ela é deusa da agricultura, colheita, natureza e estações do ano. Teve sua filha, Perséfone, com Zeus. Perséfone foi raptada por Hades para ser sua esposa. Deméter também teve um casal de gêmeos com seu outro irmão, Poseidon. Também teve alguns heróis, vindos de sua união com mortais.
  • Hermes: ele era, na mitologia grega, deus mensageiro, dos comerciantes e dos ladrões, pois quando ainda era bebê, roubou 50 cabeças de gado de seu meio-irmão, Apolo. Ele era filho de Zeus e Maia, uma filha de Atlas e Pleione.
  • Hefesto: filho do rei e da rainha dos deuses, Hefesto nasceu com uma imperfeição no rosto. Hera, sua mãe, o achou feio demais para viver no Olimpo, como um deus, e o jogou do Monte Olimpo. Ele se tornou o deus do Fogo, das Armas, do Ferro, da Tecnologia e alguns outros.
  • Dioniso: deus do vinho, das festas, da insanidade, dos ciclos vitais, do teatro. Dioniso era filho de Zeus com a Princesa Sêmele, que morreu assustada ao ver a verdadeira forma de Zeus. Após esse acontecimento, Zeus criou seu filho sozinho.
  • Ártemis: filha de Zeus e Leto e irmã gêmea de Apolo, Ártemis era a deusa da Lua, Caça, Vida Selvagem, Animais, Parto, Virgindade e outros. Ela era uma excepcional arqueira e caçadora. Seus cabelos eram negros, como a noite, cuja Lua é uma de suas esferas de controle. Ela vivia caçando na floresta com suas companheiras, as Caçadoras de Ártemis.
  • Apolo: como sua irmã gêmea, Ártemis, Apolo era filho de Zeus e Leto, um excelente arqueiro. Ele era o deus do Sol, da Cura, das Doenças, da Morte Súbita e da Beleza. Junto com Afrodite, eram os ideais de beleza para os mortais que os adoravam.
  • Afrodite: quando Urano foi partido em pedaços por Cronos, seus pedaços foram lançados ao mar, causando uma imensa concentração de espuma. Dessa espuma, a linda Afrodite nasceu. Afrodite era a deusa do amor e da beleza, mas também é responsável pela fertilidade.
  • Ares: Hera desejava muito ter um filho, que um dia derrotasse Zeus e assumisse o trono do Olimpo, como dizia uma antiga profecia. Seu desejo foi atendido, e ela teve Ares. Este, desde pequeno, guardou uma grande raiva dentro de si, se tornando o deus da guerra selvagem, com muita sede de sangue. Alguns deuses do Olimpo o temiam, e a única deusa que conseguia acalmá-lo era Afrodite.
  • Atena: ela era deusa da sabedoria, estratégia, justiça, civilização, habilidades e artes. Ela era filha de Zeus e Métis, deusa da Prudência. Ela era a favorita de seu pai, que teve mais de 60 filhos. Ela era uma das mais importantes deusas olimpianas, e uma das mais inteligentes.

Adaptações

por Ana Gabriela Lima

A maioria dos fãs de Harry Potter não gosta das adaptações dos livros para os filmes. Algumas dá para aceitar, mas outras não tem perdão. Como as seguintes adaptações que vou falar e refletir sobre:

#Gina Weasley:

Nos livros, ela é uma personagem decidida e confiante, com espírito de liderança. Nos filmes, ela é aquela garota que amarra os cadarços do Harry (literalmente) e que fica cheia dos sorrisinhos, sem nem falar na história.

Francamente, esses editores não tem mais o que piorar na personagem nos filmes. Agora, só para deixar claro,  não estou criticando a atuação da Boonie Wright (atriz), mas sim o que ela teve que atuar.

Essa mudança da personagem sempre me incomodou. E há mais um problema envolvendo a nossa querida Gina.

#O beijo

Todo fã que leu o sexto livro de Harry Potter sonha em ver o grande beijo de Harry e Gina na ‘Sala Comunal’,  após o jogo de quadribol. Aquele beijo, com 50 testemunhas e com um clima romântico.

Mas, em vez disso, temos o pior beijo de todos os tempos. Aquele beijo que foi na ‘Sala Precisa’, com nenhuma testemunha e que não dura nem meio segundo. Os roteiristas, ao invés disso, inventaram uma cena no começo do filme com o Harry e a garçonete.

#Ninfadora Tonks

Ela, a mulher que conquistou Remo Lupin, o lobisomem, aquela que lutou bravamente na ‘Batalha de Hogwarts’, aquela mulher estabanada, mas que você vê que pode ser a amiga mais gentil.  Bom, ela é assim nos livros, pelo menos.

Nos filmes…  Não sei o que falar, ela nem aparece na história. Bom, as únicas coisas que aparecem no filme são: ela é aquela mulher que odeia ser chamada de Ninfadora, que você não tem ideia de como acabou casada com Remo Lupin, e que você mal sabia da existência.

Os roteiristas, em ‘Enigma do Príncipe’, tiraram ela da cena que era uma das mais importantes para o desenvolvimento da personagem.

Essa cena acontece em ‘Enigma do Príncipe’, no Expresso de Hogwarts. Após Draco lançar o Petrificus Totalus e lançar a capa em cima de Harry, Tonks chega e leva ele pro castelo. Daí, o Harry percebe que ela tá com os cabelos castanhos, e não as cores mais vivas que ela sempre usa no cabelo. Então, depois descobrimos que ela está assim porque o Lupin não tá dando muita atenção pra ela, que acha que foi  rejeitada. Ao invés disso, os roteiristas tiraram a Tonks e no lugar colocaram Luna Lovegood.

Então, você que quer conhecer esse mundo mágico de Harry Potter, leia os livros antes de ver os filmes.

 

Horcruxes

por Ana Gabriela Lima

Descobrimos, no sexto livro de Harry Potter (Harry Potter e o Enigma do Príncipe), o que são as horcruxes. Na situação, Tom Riddle pergunta ao professor Slughorn o que são horcruxes e assim, ele conta.

“ _ Senhor, eu queria lhe perguntar uma coisa.

_ Então pergunte, meu rapaz, pergunte…

_ Senhor, estive imaginando o que o senhor saberia sobre… sobre Horcruxes.

(…)

_ (…) Encontrei o termo em um livro, e não entendi muito bem.

_ (…) É feitiço das Trevas, realmente das Trevas.

(…)

_ Bem – falou Slughorn sem olhar para Riddle, (…) – , bem, é claro que não pode haver mal algum em lhe dar uma ideia geral. Só para você entender o termo. Horcrux é a palavra usada para um objeto em que a pessoa ocultou parte da própria alma.

_ Mas não entendo bem como se faz isso, senhor.

(…)

_ Bem, a pessoa divide a alma, entende. – explicou Slughorn – , e esconde uma metade dela em um objeto externo ao corpo. Então, mesmo que seu corpo seja atacado ou destruído, a pessoa não poderá morrer, porque parte de sua alma continuará presa á terra, intacta. Mas, naturalmente, a existência sob tal forma…

(…)

_… poucas pessoas iriam querer, Tom, muito poucas. A morte seria preferível.

(…)

_ E como é que se divide a alma?

_ Bem – respondeu Slughorn, constrangido – , você precisa compreender que a alma deve permanecer intocada e una. (…)

_ Mas como é que se faz?

_ Por meio de uma ação maligna: a suprema maldade. Matando alguém. Matar rompe a alma. (…)” [1]

Então, como explicado pelo professor, “horcrux é a palavra usada para um objeto em que a pessoa ocultou parte da própria alma”. Assim,“mesmo que seu corpo seja atacado ou destruído, a pessoa não poderá morrer”. Então podemos concluir que horcrux é um caminho mágico para a imortalidade. “Matando alguém”, você se torna imortal, pois mesmo que morra, sua alma ainda permanece intacta na horcrux. O corpo se vai, mas a alma permanece. Uma horcrux é feita pelo ato de matar alguém e por um feitiço do qual o professor não quis falar.

Horcruxes são feitiços das Trevas, como explicado pelo professor. O primeiro bruxo a fazer uma horcrux foi Herpo, o sujo (Herpo the foul), que também era ofidioglota e foi o primeiro homem a criar um basilisco.

Lord Voldemort pretendia dividir sua alma em 7, que é o número mágico. Mas, ele dividiu sua alma em 8.

  1. Voldemort – a alma presente em seu próprio corpo.
  2. O diário de Tom Servoleo (Marvolo) Riddle.
  3. Anel de Servoleo (Marvolo) Gaunt.
  4. O Medalhão de Salazar Slytherin.
  5. A Taça de Helga Hufflepuff.
  6. A Tiara de Rowena Ravenclaw.
  7. A Cobra Nagini.
  8. Harry Potter – quando Voldemort tentou mata-lo, sem o propósito, depositou uma parte de sua alma no corpo de Harry.

Desse modo, Voldemort tinha sua alma depositada em 8 lugares, sendo imortal. As horcruxes foram sendo destruídas uma a uma, tornando Voldemort cada vez mais mortal.

A primeira horcrux a ser destruída foi O diário de Tom Servoleo (Marvolo) Riddle. Esta horcrux foi destruída por Harry em Harry Potter e a Câmara Secreta, por uma presa de Basilisco.

Alguns anos depois, o professor Dumbledore descobriu sobre as horcruxes de Lord Voldemort, e começou a sair em “missões” para destruí-las e tornar Voldemort mortal novamente. Assim, ele destruiu outra horcrux, O anel de Servoleo (Marvolo) Gaunt.

Depois que Dumbledore morreu, Harry saiu a procura das outras horcruxes, para matar Voldemort no final de tudo. Dessa forma, Harry encontrou o Medalhão de Salazar Slytherin com Rony e Hermione. Rony o destuiu com a Espada de Godric Gryffindor.

Então, com a ajuda de Grampo, o duende, o trio de ouro arrombou o cofre de Belatriz Lestrange e roubou a Taça de Helga Hufflepuff. Já em Hogwarts, Hermione destruiu a horcrux com uma presa de basilisco.

Assim, só faltava uma horcrux. A Cobra Nagini. Neville Longbottom a destruiu com a Espada de Godric Gryffindor.

Harry não é considerado uma horcrux. Mas ainda assim, havia uma parte de Lord Voldemort nele. Essa parte se foi quando Voldemort tentou matar Harry Potter na Floresta Proibida.

Depois, Voldemort ficou mortal, e Harry matou-o rebatendo o feitiço Avada Kedavra com o feitiço Expelliarmus.

E essa é a verdade sobre as horcruxes.

[1]: ROWLING, J.K. Harry Potter e o Enigma do Príncipe.